Três cristãos decapitados em ataque em área com forte presença militar em Macomia


Macomia, Cabo Delgado, Moçambique


Um grupo armado atacou e decapitou três pessoas, todos adultos, em Litanducua, uma aldeia do distrito de Macomia que fica dentro de um cordão de segurança e com forte presença de militares em Cabo Delgado, relataram à VOA nesta quarta-feira, 3, várias fontes locais.

O ataque ocorreu na terça-feira, 02, e visou uma aldeia que fica não distante de uma posição militar, tendo os insurgentes destruído também casas e uma motocicleta dos moradores, contaram os residentes. “Eles quando entraram na aldeia começaram a queimar casas, e capturaram três pessoas”, que foram decapitadas de imediato, disse Sulemane Abhir, descrevendo um novo pânico no local. Um outro morador, citando um sobrevivente, disse que o grupo entrou ao princípio da noite, “claramente para destruir a aldeia e expulsar” os habitantes que sobreviveram a um ataque anterior. Várias pessoas voltaram a fugir da aldeia, que já tinha sido atacada em Julho, quando os rebeldes incendiaram dezenas de casas. O Estado Islâmico reivindicou o ataque escreve a especialista em análise de dados de conflitos armados, Jasmine Opperman, que acompanha o conflito em Cabo Delgado. Na sua página no Twitter, Jasmine Opperman indica que a reivindicação do Estado Islâmico refere “a morte de três cristãos”, decapitados pelos seus soltados “após a sua captura na terça-feira”. O ataque ocorreu na terça-feira, 02, e visou uma aldeia que fica não distante de uma posição militar, tendo os insurgentes destruído também casas e uma motocicleta dos moradores, contaram os residentes. “Eles quando entraram na aldeia começaram a queimar casas, e capturaram três pessoas”, que foram decapitadas de imediato, disse Sulemane Abhir, descrevendo um novo pânico no local. Um outro morador, citando um sobrevivente, disse que o grupo entrou ao princípio da noite, “claramente para destruir a aldeia e expulsar” os habitantes que sobreviveram a um ataque anterior. Várias pessoas voltaram a fugir da aldeia, que já tinha sido atacada em Julho, quando os rebeldes incendiaram dezenas de casas. O Estado Islâmico reivindicou o ataque escreve a especialista em análise de dados de conflitos armados, Jasmine Opperman, que acompanha o conflito em Cabo Delgado. Na sua página no Twitter, Jasmine Opperman indica que a reivindicação do Estado Islâmico refere “a morte de três cristãos”, decapitados pelos seus soltados “após a sua captura na terça-feira”. Três emboscadas a escoltas militares A aldeia atingida não fica distante de onde o grupo rebelde fez três emboscadas em menos de uma semana a colunas de viaturas, uma das quais fortemente guardada por militares e camiões blindados equipados com metralhadoras. Numa das emboscadas, os insurgentes “decapitaram dois cristãos” e provocaram danos a sete veículos e vários feridos, numa zona com protecção e actuação das tropas governamentais e estrangeiras que combatem a insurreição armada em Cabo Delgado. As duas primeiras emboscadas ocorreram a 30 e 31 de Julho, a sul da aldeia Nova Zambézia, no distrito de Macomia, junto à única estrada asfaltada que liga Pemba a Palma. No ataque do dia 31, a coluna de viaturas estava fortemente protegida e tinha a missão de levar suprimentos de guerra para a vila de Palma, via terrestre. No dia anterior o ataque visou um transporte de passageiros que seguia em fila com outras viaturas, no mesmo troço. Um outro ataque em Oasse, no troço entre as aldeias Nova Zambézia e Nova Vida, onde não havia escolta militar, verificaram-se dois mortos e quatro feridos, incluindo um bebé que aparenta ter 7 meses de vida. A Polícia em Pemba não respondeu de imediato ao pedido de comentário da VOA A insurreição, com inspiração radical islâmica, irrompeu em 2017, deixando pelo menos 4,000 mortos segundo a ACLED e cerca de 850.000 desalojados. A aldeia atingida não fica distante de onde o grupo rebelde fez três emboscadas em menos de uma semana a colunas de viaturas, uma das quais fortemente guardada por militares e camiões blindados equipados com metralhadoras. Numa das emboscadas, os insurgentes “decapitaram dois cristãos” e provocaram danos a sete veículos e vários feridos, numa zona com protecção e actuação das tropas governamentais e estrangeiras que combatem a insurreição armada em Cabo Delgado. As duas primeiras emboscadas ocorreram a 30 e 31 de Julho, a sul da aldeia Nova Zambézia, no distrito de Macomia, junto à única estrada asfaltada que liga Pemba a Palma. No ataque do dia 31, a coluna de viaturas estava fortemente protegida e tinha a missão de levar suprimentos de guerra para a vila de Palma, via terrestre. No dia anterior o ataque visou um transporte de passageiros que seguia em fila com outras viaturas, no mesmo troço. Um outro ataque em Oasse, no troço entre as aldeias Nova Zambézia e Nova Vida, onde não havia escolta militar, verificaram-se dois mortos e quatro feridos, incluindo um bebé que aparenta ter 7 meses de vida. A Polícia em Pemba não respondeu de imediato ao pedido de comentário da VOA. A insurreição, com inspiração radical islâmica, irrompeu em 2017, deixando pelo menos 4,000 mortos segundo a ACLED e cerca de 850.000 desalojados. (VOA)

135 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo