• estaciosvaloi

Preconceitos sociais sobre albinismo levam à produção da obra “Compreendendo o Albinismo”- A obra


A obra foi financiada pela Sasol, em parceria com a Human Rights Media Centre, Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos e UNESCO


“Compreendendo o Albinismo” é o título do livro lançado, no dia 18 de Março de 2021, em Maputo. Da autoria de Shirley Gunn e Paula Cardoso, a obra aborda preconceitos sociais sobre o albinismo e suas consequências, implicações do albinismo na vida das pessoas nesta condição, assim como conselhos para professores, estudantes e centros de prestação de serviços às pessoas com deficiência.


De forma geral, com esta obra, pretende-se colmatar os mitos e crenças falsas sobre o albinismo que têm assolado o continente africano, sendo que Moçambique não é excepção. O livro tem como foco, por um lado, as experiências vividas por pessoas com albinismo, o estigma social e os preconceitos que lhes causam enorme sofrimento e humilhação. Por outro lado, contém factos bem pesquisados sobre o albinismo, para ajudar a compreender melhor esta condição humana.


Intervindo na cerimónia de lançamento, Shirley Gunn, co-autora do livro e Directora Executiva da Human Rights Media Centre, manifestou a sua satisfação por se ter chegado à publicação desta importante obra. “Tem muitas histórias que acredito que irão mudar as atitudes das pessoas, a sua maneira de encarar aqueles que vivem com albinismo”.


Financiado pela Sasol, a produção desta obra conta com o envolvimento da Human Rights Media Centre, Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, UNESCO, organização Amor à Vida e Albimoz.


Em representação do Governo, o Secretário Permanente do Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos reafirmou o compromisso do Executivo no respeito e promoção dos direitos humanos, particularmente das pessoas com albinismo. “Com vista a dar protecção redobrada a esta classe social, o Governo estabeleceu medidas apropriadas de intervenção, com a aprovação, em 2015, do Plano Multissectorial para a Protecção da Pessoa com o Albinismo, instrumento que estabelece as acções implementadas pelos diferentes parceiros de cooperação, em coordenação com o Governo.”



O Director-geral da Sasol em Moçambique, Ovídio Rodolfo, disse que a participação da Sasol na materialização desta obra é um incentivo ao Governo e às organizações da sociedade civil para que se continue a trabalhar na sensibilização da sociedade sobre os cuidados a observar, para garantir que as mais de 20 mil pessoas com albinismo em Moçambique tenham acesso aos serviços de saúde, água e saneamento, bem como a informações de saúde pública de que necessitam.


“A nossa parceria com a The Human Rights Media Centre e UNESCO, através da Sasol Global Foundation, é uma demonstração clara do nosso compromisso em defender e respeitar os direitos humanos e colaborar na transmissão de mensagens educativas sobre o albinismo aos nossos colaboradores e às comunidades em que estamos inseridos”, anotou Ovídio Rodolfo.


Por seu turno, Carlos Domingos Quembo, em representação da UNESCO em Moçambique, disse que a sua organização tem estado na linha da frente em assuntos ligados a pessoas com albinismo. “Nós


conseguimos colocar a questão do albinismo como uma acção de prioridade no seio das agências das Nações Unidas”.


Para a organização Amor à Vida, entidade que lida com pessoas na condição do albinismo, representada no evento por Vicente Xerindza, o livro ora lançado vai ajudar a sociedade a compreender a condição dos albinos em Moçambique.(Moz24h)


12 visualizações0 comentário