Português detido em Nampula por manter em cativeiro 79 tartarugas de espécie protegida


A apreensão das tartarugas, da espécie AstrochelysRadiata (tartaruga radiante), oriunda do Madagáscar, ocorreu na sexta-feira, após uma denúncia da Administração Nacional de Áreas de Conservação de Moçambique, disse Enina Tsinine, porta-voz do Serviço Nacional de Investigação Criminal (Sernic), na província de Nampula.


O suspeito está detido na 1.ª esquadra da cidade de Nampula, capital provincial.

O homem, residente em Moçambique, mantinha as tartarugas num espaço no seu quintal, na Ilha de Moçambique, província de Nampula, na zona norte.

Segundo o Sernic, sem que tenha revelado a proveniência, o homem terá dito que mantém as tartarugas na sua casa há 20 anos e que não as comprou, nem vende, apenas as cria.

"Ainda não temos dados concretos sobre como adquiria as tartarugas", mas há uma suspeita, avançou a porta-voz, visto que o português tem uma licença para a prática de pesca no país.

"Temos informações de que ele tem licença para prática da pesca e tem muitas embarcações. Talvez a sua atividade o tenha ajudado na compra ou captura [das tartarugas]", disse Enina Tsinine.

A AstrochelysRadiata, uma tartaruga terrestre (cágado), é uma espécie protegida, considerada em perigo de extinção pela União Internacional Para a Conservação da Fauna (IUCN) e que é parte do Apêndice I da Convenção Internacional para o Comércio de Espécies em perigo de Extinção da Fauna e Flora (CITES, na sigla em inglês), do qual Moçambique é membro.

De acordo com Carlos Lopes, diretor de Proteção e Fiscalização da ANAC, contactado pela Lusa, a maioria das tartarugas apreendidas são adultas - esta espécie pode viver até aos 35 anos -, e estão no contrabando internacional há algum tempo, sendo Moçambique um país de trânsito para o mercado asiático.

Citando estudos, Carlos Lopes avançou que a Astrochelys Radiante "pode custar, no mercado ilícito, até cinco mil dólares [quatro mil euros]" cada, referindo que esta é a segunda apreensão do género que ocorre no país.

"O primeiro caso ocorreu na cidade de Maputo e foram apreendidas 26 tartarugas desta espécie. Esta é a segunda e a maior apreensão", destacou.

Segundo a ANAC, as autoridades do Madagáscar já foram contactadas para posterior repatriamento das tartarugas.

Moçambique é um país assolado pela delapidação de recursos faunísticos e florestais e várias espécies estão em risco de extinção devido à ação decaçadores furtivos. (NM)

117 visualizações0 comentário