Pemba sem capacidade para acomodar deslocados, alerta a Caritas


A cidade de Pemba não será capaz de lidar com a chegada de milhares de deslocados, na sequência dos mortíferos ataques de insurgentes em Palma, disse à Reuters o chefe local da Cáritas.

Um barco com cerca de 1.200 sobreviventes de ataques a Palma chegou a Pemba, na quinta-feira, 1 de Abril. A cidade tinha já outras milhares de pessoas deslocadas da insurgência.

Manuel Nota, que lidera a Caritas, instituição de caridade católica, levantou preocupações sobre o risco de aumento da criminalidade e exposição à COVID-19.

“Esta cidade foi preparada para acomodar um certo número de pessoas, mas agora temos muita gente. Por exemplo, agora no mercado tem muita gente”, que está exposta à Covid-19, disse Nota.

Ele advertiu que “por causa desse aumento do número de pessoas, a quantidade de crimes vai aumentar. Já tivemos essa situação antes, quando chegaram pessoas das ilhas (Quirimbas), fugindo de insurgentes”

Nota disse que a Caritas busca apoio de parceiros para garantir o essencial aos deslocados acomodados num pavilhão desportivo, nesta fase e no futuro.

“Quando o centro fechar, teremos que continuar a distribuir alimentação para essas famílias deslocadas todos os meses, para reforçar o trabalho do PMA (Programa Mundial de Alimentação),” disse Nota. “Além dos deslocados, apoiamos as famílias anfitriãs, essas famílias também precisam de ajuda”.

Cerca de 90% dos que chegam a Pemba são acolhidos por familiares, afirmou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). (VoA)

33 visualizações0 comentário