Papa Francisco solidariza-se com bispo de Pemba e envia mensagem aos ‘milicianos digitais”


Estacio Valoi

Em uma conferencia de imprensa realizada na diocese de Pemba, capital de Cabo Delgado, numa mensagem expressa pelo pontífice via telefónica em conversa com o Bispo Dom Luís naquela Província mostrou-se preocupado com os recentes escritos dos ‘milicianos digitais’ que proliferam na rede social Facebook, onde destilam as suas angustias.

Há dias o jornalista Gustavo Mavie recentemente eleito membro da comissão Ética pelo parlamento moçambicano apesar de tantas controvérsias sobre a sua nomeação - ladrão no caso AIM- e o historiador Egídio Vaz atacaram ferozmente o prelado de Pemba.

“Acabo de ler o longo texto de Gustavo Mavie sobre o Bispo católico de Pemba. Concluo que ele é de facto, um dos logísticos dos terroristas. É ele quem dá comida aos insurgentes. Julgo que o Vaticano pode sair desse embaraço, mas excomungando-o. Ele é um criminoso.” Escreveu Egidio Vaz no seu ataque ao bispo Dom Luis.

O constitucionalista Gilles Cistac acabou assassinado após previamente ser atacado nas redes socais e teme-se que os mesmos marginais a soldo da intolerancia politica terminem com a vida do bispo.


A mensagem do Vaticano nas palavras de Dom Luís


“Para minha surpresa e grande alegria recebi um telefone de sua santidade o papa Francisco que me confortou muito. Ele disse que esta muito bem próximo do Bispo e de todo o povo de cabo delgado e que acompanha a situação vivida na nossa províncias com muita preocupação e que tem rezado por nós. Disse ainda que o Bispo lhe diga se há ainda alguma coisa que ele possa fazer. Agradeci muito a ele por esse gesto por ter mencionado a crise humanitária que vive cabo delgado.

Eu disse que depois da sua menção sobre cabo delgado houve muito mais interesse por parte de todos, pais, dioceses de varias partes do mundo, organizações, instituições religiosas, organizações humanitárias, individualidades, tudo de dentro como de fora de Moçambique

Segundo bispo o Papa tem falado de Cabo Delgado o qual voltou para o mapa porque parecia que já não estava. Ele disse que bom.

O Bispo fez referencia sobre a difícil situação da Mocímboa da praia que neste momento esta tomada apelos insurgentes e que duas religiosas da congregação são José de Chambrié que la trabalham estão sem contacto com a diocese a uma semana e elas estão com muitas pessoas nas suas casas, doentes, mamas com bebes, crianças muito pequenas e o papa respondeu que triste situação

O papa afirmou que lembrava-se muito bem da sua visita a Moçambique em época de campanha eleitoral em 2019 que deu uma vitória retumbante a Nyusi

Uma visita do Papa Francisco a Moçambique que decorreu em plena campanha eleitoral cujo representantes religiosos na sua chegada anteviam. Na véspera da sua chegada, o impacto desta visita para o país e pediam para que aquela não tivesse "uso político" assim como apelou-se para que “A igreja católica apelou esta sexta-feira em Maputo para que não se faça campanha eleitoral durante a visita do Papa Francisco a Moçambique.”

Segundo Joseph Hanlon foram as piores eleições de sempre de Moçambique. "Tivemos três mil observadores da sociedade civil independentes que não conseguiram credenciais para observar as eleições. Tivemos milhares de observadores de grupos alinhados à FRELIMO, dos quais nunca ninguém tinha ouvido falar, e eles conseguiram credenciais",


Segundo Dom Luís ‘ Adelante, avante’ disse o Papa em conversa.


Assim como como referiu que todos que estão a viver o flagelo da guerra no Norte de Cabo Delgado devem; levantar a cabeça’ que não estavam abandonados “Todos aqueles que estão a viver com medo a dormir nas matas, aqueles que estão a ser acolhidos em muitas famílias em cabo delgado, nos distritos, aqueles que estão a viver nos acampamentos em condições ainda muito precárias. Deus não nos abandonou, temos que levantar a cabeça que há muito por fazer pela frente. Ajudar uns aos outros, governo, igreja sociedade civil, vários religiosos .Fazemos a nossa parte. .O bispo que tem essa missão de conduzir o rebanho aqui em cabo delgado.”

Sem referenciar Gustavo Mavie e Egídio Vaz, Dom Luís optou pela liberdade de expressão “Todos temos direito a opiniões diferentes, divergentes, eu não quero responder a nenhum tipo de ataque, as pessoas tem direito de dizer aquilo que elas pensam, todos temos direito mas temos de fazer com responsabilidade, fazer sabendo o que estamos afirmando.”

Em jeito de lembrança frisou que “ somos porta-vozes daquilo que jesus ensinou no evangelho ‘ Ensinou a estar ao lado da verdade, da justiça e da paz.”

A igreja junto com a caritas, organizações da sociedade civil e o governo estão a fazer de tudo perante esta crise humanitária decorrente do conflito militar em curso na provincia desde 2017. (Moz24h)

100 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI