Ossufo Momade queixa-se da perseguição de "perdizes" e defende a extensão do Estado de Emergência



O lider da Renamo, Ossufo Momade, agora com estatudo e "regalias" inerentes a posição de "lider do maior partido da oposição" deu ontem uma conferência de imprensa onde defendeu o prologamento do Estado de Emergência que termina dia 30. Ossufo defende que um eventual prolongamento deve ser acompanhado de medidas de apoio aos mais vulneráveis. Água, luz e portagens deviam ser gratuitos e devia haver créditos bonificados para empresas.

O presidente da Renamo defende que se prolonguem as medidas em vigor e justifica que seria esta uma “forma de evitar que atinjamos o nível quatro, o chamado ‘lock down’, o que no nosso entender será catastrófico para todo Moçambique”.

Momade é de opinião que enquanto o Estado de Emergência vigorar, deveria haver isenção do pagamento pela água potável, energia eléctrica, taxas de portagem, redução da taxa do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), criação de linhas de crédito com juros bonificados ou prestação de garantias a conceder através dos bancos comerciais para as empresas que produzem para o sector da saúde por um período de um ano.

Sobre a prevenção, diz que se deve “mobilizar, imperativamente, todos os meios ociosos, como viaturas, instrumentos e equipamentos de comunicação de massas, megafones e outros para sensibilizar a população sobre as medidas de prevenção”, além de utilização dos meios e serviços do Serviço Nacional de Salvação Pública para ajudar a desinfectar as ruas e espaços públicos.

Momade condenou à actuação da Polícia, que considera violenta para o cidadão indefeso.

“Condenamos o aumento da violencia contra a população indefesa, em nome do combate à pandemia do novo Coronavírus. Somos contra os excessos e abusos praticados pela Polícia, que teima em ser político-partidária e somos, igualmente, contra as detenções arbitrárias sob qualquer pretexto”.

O presidente da Renamo alerta que o partido no poder, a Frelimo, está a se aproveitar do “momento de dor e tão difícil para fazer propaganda político-partidária forçada envolvendo multidões, numa clara violação às medidas impostas pelo estado de emergência, como aconteceu recentemente num dos mercados da cidade de Nampula, envolvendo membros do partido no poder”.

Ossufo Momade falou na referida conferência de alegada reactivação de esquadrões da morte e perseguição aos membros da Renamo, o que entende colocar em causa os acordos chacelados com o Presidente da República.

Ossufo Momade desafia o Presidente da República e a comunidade internacional a averiguar os casos.

Momade diz que o silêncio de Filipe Nyusi, perante alegados assassinatos, pode significar que não tem voz perante as Forças de Defesa e Segurança. (Moz24h)

0 visualização

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI