ONU preocupada com ataques em Moçambique e pede protecção para vítimas


O presidente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) disse ontem à agência Lusa que a situação em Cabo Delgado, Moçambique, está a ser seguida com muita preocupação, por risco de expansão da violência.

Dang Dinh Quy, representante permanente do Vietname e presidente do Conselho de Segurança no mês de Abril considerou hoje, em conferência de imprensa, em resposta à agência Lusa, a situação de Moçambique "muito alarmante" devido à possibilidade de "rápida expansão" do terrorismo para outras regiões do continente. O presidente do Conselho de Segurança citou as palavras do secretário-geral da ONU, António Guterres, dizendo que o "franchising" (franquia) do terrorismo pode aumentar rapidamente e "afectar fortemente a segurança na região". Moçambique está a ser "vigiado de perto pelo Conselho de Segurança", assegurou o representante permanente do Vietname. A subsecretária-geral da ONU e representante especial do secretário-geral sobre violência sexual em conflitos, Pramila Patten, também assegurou que o escritório sobre violência sexual está a monitorizar atentamente a região de Moçambique e voltou a sublinhar a necessidade de protecção para vítimas pelas autoridades nacionais. Questionada pela Lusa, Pramila Patten prometeu interacção e cooperação com as autoridades locais. "Aproveitamos esta oportunidade para instar as autoridades a garantir que todos os sobreviventes, especialmente mulheres e crianças, recebam ajuda médica e psicossocial em tempo adequado e que as necessidades humanitárias da população sejam tratadas com urgência", destacou a subsecretária-geral da ONU. Pramila Patten manifestou preocupação pela "rápida degradação da situação humanitária devido à escalada de violência entre as forças de segurança do Estado e elementos e grupos armados". "Estou extremamente preocupada com a escalada do conflito que realmente causou uma grave crise humanitária, forçando quase 700 mil pessoas a abandonar as suas casas", afirmou a representante especial. Pramila Patten condenou o recrutamento de crianças para grupos armados e sublinhou os riscos para mulheres e crianças de serem "severamente afectadas", segundo relatos de "violência sexual, raptos e acesso interrompido à assistência humanitária". Em 31 de Março, uma semana após um ataque em Palma, representantes especiais dos secretário-geral da ONU instaram extremistas e grupos armados de Moçambique a cessarem imediatamente os actos de violência contra a população civil e permitirem o fornecimento de protecção. A violência armada em Cabo Delgado começou há mais de três anos, mas ganhou uma nova escalada em 24 de Março, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, a cerca de seis quilómetros de grandes projectos de gás natural. Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, desde o início do conflito, de acordo com dados das Nações Unidas, e com cerca de 2.500 óbitos desde o início do conflito, segundo contas feitas pela Lusa. (RM /NMinuto)

39 visualizações0 comentário