ONU pede 35 milhões de dólares para apoio urgente a 354 mil deslocados da guerra em Cabo Delgado


A coordenadora residente da Organização das Nações Unidas em Moçambique, Myrta Kaulard, pediu quinta-feira 35 milhões de dólares (30 milhões de euros) à comunidade internacional para apoiar os deslocados pelos ataques armados em Cabo Delgado.

“A população está completamente exausta e em desesperada necessidade de humanidade e solidariedade”, referiu Myrta Kaulard.

O Plano de Resposta Rápida para Cabo Delgado, para ser aplicado de maio a dezembro, “vai dar prioridade a necessidades urgentes daqueles que foram afetados pelo aumento da violência”, lê-se num comunicado das Nações Unidas.

A fuga da população aumentou rapidamente à medida que a violência cresceu desde o início do ano, referiu a ONU, estimando que haja agora 211.485 pessoas que largaram tudo e procuraram refúgio seguro noutras povoações – num conflito que já matou, pelo menos, 600 pessoas.

Somando as comunidades de acolhimento, também já de si empobrecidas, estima-se que haja 712 mil pessoas a necessitar de ajuda e o plano hoje lançado pretende apoiar 354.000, cerca de metade.

Os ataques armados, alguns dos quais passaram a ser reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico , chegaram desde março a várias sedes de distrito e vilas principais: Mocímboa da Praia, Muidumbe, Quissanga e Macomia foram ocupadas durante vários dias.

O Governo anunciou no domingo ter abatido 78 rebeldes, entre os quais dois cabecilhas tanzanianos, na sequência de confrontos em Muidumbe.

A maioria das pessoas deslocadas internamente na crise que dura há dois anos e meio são crianças, seguidas por mulheres, espelho da distribuição populacional de Moçambique.

Os alimentos, itens de abrigo e outros do dia-a-dia (baldes, mantas) são os mais necessários numa crise em que, embora existam locais de reassentamento e centros de acomodação, a maioria dos deslocados internos está a ser hospedada por famílias e parentes.

Só que “os recursos das comunidades que os recebem estão a esgotar-se e aqueles que estão presos em áreas com insegurança não têm meios de se sustentar”, acrescentou a ONU.

Muitas das pessoas afetadas são as mesmas que perderam tudo durante o ciclone Kenneth, em abril de 2019, e que agora “são deslocadas pela segunda ou terceira vez em menos de um ano”, sublinhou.

As Nações Unidas estimam que desde o início da violência em outubro de 2017 já tenham sido atingidas 107 escolas (incluindo um centro de treino de professores), afetando mais de 56.000 crianças e quase 1.100 professores.

O pedido de apoio ao Plano de Resposta Rápida para Cabo Delgado no valor de 35,5 milhões de dólares junta-se a outro apelo de 68 milhões de dólares (60 milhões de euros) lançado hoje para apoio a Moçambique no combate à pandemia da COVID-19.

Myrta Kaulard fez um pedido para que os parceiros ajudem o país “a proteger os mais atingidos por vários choques, incluindo as consequências humanitárias da COVID-19, bem como secas recorrentes, inundações e crescente violência na província de Cabo Delgado”.

“Peço à comunidade internacional para se unir e apoiar generosamente o povo de Moçambique, respondendo a esses dois apelos”, concluiu a coordenadora residente.

“Os apelos complementarão os esforços empreendidos pelo Governo de Moçambique, através do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades [INGC], para ajudar o povo moçambicano”, destacou Luísa Meque, diretora-geral do INGC de Moçambique.

Em particular, referiu a dirigente do INGC, vão encaixar-se com o que está a ser feito no apoio “a deslocados pela ação de grupos armados na província de Cabo Delgado e às pessoas afetadas pelo impacto da pandemia de covid-19”. (Moz24h)

66 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI