Oito funcionários do SENAMI atirados às celas por corrupção


Oito arguidos, entre funcionários Serviço Nacional de Migração (SENAMI) e trabalhadores do Moza Banco, foram detidos na semana passada pelo seu envolvimento no caso

de desvio de 17 milhões de meticais nesta instituição de controlo migratório.

As detenções foram ordenadas pelo juiz da 7.ª Secção do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, onde o processo, ostentando o número 10/2019, corre os seus trâmites legais.

Os detidos fazem parte de um grupo de 18 acusados pelo Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) e que respondiam o caso em liberdade, depois de pagar caução.

No entanto, ao deduzir a pronúncia o juiz do processo ordenou a detenção dos oito arguidos que se encontravam em liberdade e que se juntam aos outros 10.

Dos detidos, destaque vai para Filipe Cumbe, antigo director dos Serviços de Migração da Cidade de Maputo. Juntamente com o ex-gestor foram recolhidos vários quadros

pertencentes à direcção financeira, onde se pensa que teria sido esboçado o esquema da fraude. (Noticias)

66 visualizações0 comentário