O reino dos chambocos e não dá inteligência para a prevenção e combate ao Covid 19



Por Samucolomoa


Após a prorrogação do prazo do estado de emergência proferido pelo PR se observa quase em todo o País espancamentos e detenções por parte da PRM com vista a se fazer mandar cumprir o decreto presidencial, aliás já era de esperar porque o Engenheiro Mecânico mostrou que usa mais a sua massa muscular do que o seus neurónios.

Ora vejamos, em todo canto de Moçambique o número de viaturas da polícia e o seu recursos humanos não são suficientes para cobrir às cidades, áreas sob urbanas, etc.

Nesta ordem de ideias dizer que a polícia apenas se faz presente a nível do raio municipal se fazendo parecer que o vírus se encontra no raio municipal.

Se o PR tivesse usado os seus neurónios, haveria de perceber que o uso dos músculos da polícia para distribuir chambocos não é viável pois atinge um número reduzido e isso acontece depois das 17horas fazendo parecer que o vírus apenas é noturno.

Está estratégia não racional não é funcional porque dia pós dia os carros viajam do rovuma ao Maputo, do Índico ao zumbo onde interagem com os membros da mesma na compra de produtos onde o dinheiro físico e contacto pode ser a via de contágio para está pandemia que se tenta ultrapassar com músculos e não com o cérebro.

Como se diz por aí: quando um batalhão está com fome não há voz de comando que se possa dar ouvido, isto é, o que o comandante fala ninguém dá ouvido.

Enquanto o povo continuar na pobreza jamais irá ficar em casa pois muitos de nós vivemos do  que vendemos a cada dia para levar sal a casa.

Que tal Sr. Engenheiro Mecânico se tivesses pensado com a cabeça e não o músculo, não terias te apercebido das melhores formas de prevenção fora da força policial?

Sr. Engenheiro Mecânico, se tivesses utilizados os neurónios terias olhado nas melhores formas de prevenção tais como:

Os meses de frios já estão em acção, logo às medidas de prevenção e não de chambocos seriam eficaz tais como todos os estudantes das universidades e Institutos de ciências de saúde que estão no segundo ano para frente a cursar medicina geral e enfermagem, Saúde Pública deveriam voltar a carteira para serem formados na matéria de prevenção e tratamento desta pandemia.

Séria o momento ímpar para beber o conhecimento dos médicos cubanos em relação a esta pandemia.

Após a formação e de acordo com os focos de disseminação da pandemia haveriam de ser alocados para trabalharem nas comunidades na área de prevenção e combate a pandemia juntos aos líderes comunitários.

Isto sim seria pensar com os neurónios e não com a massa muscular que os policiais nem têm por causa da fome que estão a passar devido ao salário magro que caí nas suas contas.

A prevenção é barata que o tratamento mas quando ela é difundida da melhor maneira e não com chambocos (Moz24h)

0 visualização

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI