Morte de Mariano Nhongo: Renamo confiava no diálogo e MDM espera rendição dos seus homens


Mariano Nhongo, líder dos guerrilheiros da Renamo contra Ossufo Momade


Representante pessoal do secretário-geral lda ONU reconhece esforços do Governo para integrar dos seus homens no processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração

MAPUTO — A Renamo, através do seu porta-voz, José Manteigas, lamentou a morte do autoproclamado líder da Junta Militar da Renamo, Mariano Nhongo, afirmando ainda que o partido "apostava na via do diálogo".

Nhongo foi morto por nesta segunda-feira, 11, por volta das 7 horas em combate contra as Forças de Defesa e Segurança nas matas de Sofala onde se encontrava escondido. Nhongo e seus homens armados, que distanciaram-se da Renamo depois da eleição de Ossufo Momade a presidente do principal partido da oposição, estavam na origem de pequenos ataques contra a população e recusaram encontros com a Renamo para tentar resolver os seus diferendos.

O secretário geral do Movimento Democrático de Moçambique, José Domingos, espera que "a morte de Mariano Nhongo possa significar a rendição de outros elemntos da autoproclamada Junta Militar para que possam aderir ao processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração em curso no país.

Enviado da ONU recorre esforço do Governo Também o enviado pessoal do Secretário-Geral das Nações Unidas para Moçambique e presidente do Grupo de Contacto, Mirko Manzonni, emitiu uma declaração na qual reconhece “os consideráveis esforços do Governo no sentido de recorrer a meios pacíficos para devolver a estabilidade à zona centro de Moçambique”.

Ele reiterou que “este acontecimento não nos dissuadirá na busca pela paz, devendo servir para nos juntarmos e redireccionarmos os nossos esforços com vista a permitir que os restantes combatentes se juntem ao processo de DDR e se juntem a uma vida de paz”. Durante dois anos, Manzoni tentou convencer Mariano Nhongo a aderir ao processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração, mas sem sucesso.

O Governo não reagiu à morte do líder dissidente da Renamo anunciada pelo comandante-geral da Polícia da República de Moçambique, Bernardino Rafael.(VOA)

66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo