Mariano Nyongo anuncia cessar-fo depois de denunciar raptos de familiares



O líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo, Mariano Nhongo, declarou um cessar-fogo unilateral, na passada quarta-feira, 23, colocando fim a ataques armados em estradas e aldeias do centro de Moçambique, para viabilizar um novo esforço de negociações de paz com Maputo. Nhongo anunciou negociações na segunda-feira, 28, com o Governo e embaixadas.

“Já passou uma semana, não há estrondos, eu mandei paralisar os meus militares para não atacarem mais”, disse Nhongo, em entrevista exclusiva à VOA, algures do seu esconderijo, salientando que “o que ficou é tomar uma cerveja” com a polícia e o exército, em alusão à cessação de confrontos militares com as Forças de Defesa e Segurança. Referira-se que Mariano Nyongo, conforme deu a conhecer o Ponto Por Ponto (PpP) tem dois filhos, a nora e tres netos sequestrados, alegadamente por obra das forças de defesa e segurança. Há dias, Marco Mazoni, o enviado especial do Secretário Geral das Nações Unidas, escalou a serra da Gorongoza para se encontrar com Nyongo. “Com o objectivo de buscar a paz na região centro de Moçambique, viajei para me encontrar com o general Mariano Nhongo da Junta Militar da Renamo. Apesar das dificuldades para uma reunião fisica, posso confirmar o contacto com ele e agradeço a sua disponibilidade para o diálogo e a sua proposta em enviar os seus representantes para iniciar o referido diálogo” afirmou Mazoni e, isso se pode aferir num documento posto a circular pela imprensa. (Moz24h)


99 visualizações0 comentário