Malawi: Presidente demite ministro e ordena detenção de 14 quadros da presidência por corrupção


O presidente do Malawi, Lazarus Chakwera, demite o ministro do trabalho, Ken Kandodo, e ordena a detenção de catorze quadros da presidência por alegado envolvimento no desvio de fundos destinados ao combate a covid-19.

O ministro do trabalho é acusado de ter usado seiscentos e treze mil kwachas, cerca de sessenta mil meticais, em ajudas de custo, durante a visita que presidente Lazarus Chakwera efectuou à África do Sul. Num discurso à nação, o presidente do Malawi, Lazarus Chakwera, alertou que não haverá complacência com os implicados no desvio de parte dos 6.2 biliões de kwachas destinados para o combate a covid-19. Chakwera prometeu que o governo tudo fará para recuperar os fundos públicos roubados, incluindo a responsabilização de todos os funcionários públicos envolvidos. De acordo com um relatório de auditoria, o Ministro do Trabalho, apropriou-se de fundos da covid-19 para suportar a viagem ao exterior, numa delegação chefiada pelo Presidente Chakwera. Reagindo à demissão, o ministro do trabalho Ken Kandodo disse ter ficado ficou chocado com o anúncio da sua demissão, pois não foi notificado atempadamente sobre a decisão. O presidente Chakwera qualifica todo aquele que rouba ou desvia fundos públicos como traidor, não merecendo qualquer consideração. O presidente ameaçou ainda destituir os directores do serviço de investigação criminal da polícia do Malawi, do gabinete de Combate à Corrupção e da autoridade de Inteligência financeira, se for detectada ausência de seriedade e imparcialidade no trabalho que desempenham. A posição de Lazarus Chakwera está a merecer aplausos da sociedade civil e elogios dos partidos da oposição. Atupele Muluzi presidente do partido UDF, saudou a postura decisiva de Chakwera no combate à corrupção. ( RM Blantyre)

196 visualizações0 comentário