Liderança da RENAMO defende apoio externo para resolução do conflito em Cabo Delgado


"Esta população merece respeito. Não é através de negligência dos governantes que esta população deve ser tratada como animais... É preciso que trabalhem. Se eles não têm capacidade militar é preciso que convidem outros países para aliviar o sofrimento da nossa população", foi com as palavras retromencionadas que Ossufo Momade, líder da maior força da oposição se dirigiu aos jornalistas à chegada ao aeroporto de Pemba antes de ontem. Ossufo se encontra de visita a Cabo Delgado diz que os países vizinhos não devem olhar o conflito de Cabo Delgado como uma situação exclusiva de Moçambique, mas sim como um problema que ameaça a integridade da região.

"Se o Estado moçambicano não tem capacidade militar, temos a África do Sul, que é uma potência, temos o Zimbabué, temos o Botsuana...".

"Porque não se juntam para que possam aliviar o sofrimento desses nossos irmãos?",

O lider da Renamo lembrou uma velha máxima ao dizer que "Quando o meu vizinho está a sofrer [uma] agressão, o meu pensamento é que depois daquela casa hão-de vir à minha casa. Por isso, Zimbabué, África do Sul, Malauí, Tanzânia não podem dormir... É preciso que ajudem Moçambique para sair deste sofrimento"

Sobre a questão da soberania invocada pelo Governo para rejeitar uma intervenção militar externa, Momade reage: "Eu participei na guerra civil. Na guerra civil não havia soberania? A soberania tinha desaparecido? Não estavam aqui as forças zimbabueanas, não estavam aqui as forças tanzanianas, não estavam aqui as forças cubanas, soviéticas e mais outras?", recordou em tom interrogativo.

De referir que grupos armados lançam o terror em Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista ' Estado Islâmico.

A onda de violência já provocou milhares de mortos e mais de 700.000 mil deslocados, de acordo com dados das Nações Unidas (Moz24h)

35 visualizações0 comentário