Libertados mais cinco co-réus do processo das "dívidas ocultas"


MAIS cinco co-réus do chamado caso das dívidas não declaradas saíram em liberdade até ao dia ontem, mediante o pagamento de caução num valor cumulativo de 11 milhões, cento e trinta e um mil meticais.

Trata-se dos co-réus Manuel Renato Matusse, conselheiro do antigo Presidente da República, Armando Guebuza, que pagou 6.1 milhões; Maria Inês Moiane, secretária do antigo Chefe de Estado, que pagou três milhões; Khessaujee Pulchand (1.2 milhões), Sérgio Namburete (522 mil) e Zulficar Ali Esmail Ahmad (309 mil meticais). Por sair em liberdade continua Fabião Mabunda, que deverá pagar 10.1 milhões de meticais.

Este grupo junta-se a um primeiro constituído por Crimildo Manjate, Naimo Quimbine, Mbanda Henning, Sidónio Sitoe e Simione Mahumana, que saiu em liberdade por Termo de Identidade e Residência (TIR), devendo aguardar julgamento em casa.

Contudo, segundo refere o acórdão de 09 do mês de Março, em sede do Processo n°. 160/2020, por decisão dos Juízes da Secção Criminaldo Tribunal Supremo, a liberdade provisória concedida, quer mediante caução, quer mediante Termo de Identidade e Residência, está sujeita à apresentar-se perante o tribunal da causa às segundas-feiras, pelas 09:00 horas.

Igualmente, segundo decisão judicial, os co-réus não devem mudar de residência nem dela se ausentar por mais de cinco dias sem autorização do tribunal, bem como não comunicar com os demais arguidos no processo por qualquer meio, directo ou indirecto.

Ficam ainda sujeitos a não se ausentar do país sem prévia autorização do tribunal; proceder à entrega ao tribunal da causa do passaporte ou qualquer documento de viagem de que seja titular; e submeter-se à vigilância policial.

Mantém-se em prisãoo grupo de co-réus constituído por Bruno Tandane Langa, Armando Ndambi Guebuza, Gregório Leão, Ângela Leão, Cipriano Mutota, Teófilo Nhangumele e António Carlos do Rosário.

Refira-se que as autoridades judiciais procuram identificar um espaço amplo que possa acolher, ainda este ano, o julgamento dos 20 co-réus +pronunciados pela autoria moral e material de 93 crimes. (Fonte Noticiais)

271 visualizações0 comentário