• estaciosvaloi

Itália vai continuar a colaborar com o empresariado moçambicano


A Itália o primeiro investidor europeu em Moçambique, com 3,5 biliões de dólares de investimentos, de 2012 a 2019, e terceiro globalmente no mesmo período reafirmou semana finda a vontade de colaborar com empresariado moçambicano

Em 2019 aquele País investiu 288 milhões de dólares em Moçambique, confirmando-se como o terceiro maior investidor, depois dos Emirados Árabes Unidos (980 milhões de dólares) e Países Baixos (899 milhões de dólares).


Segundo comunicado de imprensa enviado a nossa redacção o Presidente do Conselho Directivo da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), Agostinho Vuma, recebeu o novo embaixador da Itália, Gianni Bardini, o qual manifestou a vontade daquele país europeu de continuar a colaborar com os empresários de Moçambique.

No encontro, em que também participaram o Conselho Directivo da CTA e representantes da Câmara de Comércio Moçambique-Itália, ficou claro, para a CTA, que “a Itália afirma-se como um importante parceiro económico em Moçambique, não só em Oil & Gas como também em muitas oportunidades de colaboração noutros sectores”, disse o presidente da CTA, Agostinho Vuma, logo após o encontro.


A ideia foi consubstanciada pelo novo diplomata italiano em Moçambique, segundo o qual “a Itália pode dar muito nos sectores de mecanização agrícola, processamento e transformação de produtos agrícolas, onde possui experiência em qualidade e eficiência; no sector de energias renováveis, que já conta com a presença de empresas italianas, uma área-chave para o desenvolvimento do país e das PME, que são o futuro de um país onde a industrialização será fundamental para a criação de empregos”.


Ainda segundo o comunicado nestas relações económico-empresariais o sector de energia e O&G é dominante. Basta ver os investimentos da ENI, na área 4, com perspectiva de novos blocos em Angoche, através do projecto Coral FLNG, a partir do próximo ano (que produzirá o primeiro gás no norte do país) e a presença da SAIPEM, que entre as EPC tem o maior contrato e maior construção em actividade em África (dois comboios de liquefacção na área 1 em Afungi).


Amizade entre os dois países, tendo um dos momentos mais altos sido o destacamento da missão económica que acompanhou a do Presidente da República, em Roma e Milão, nos dias 9 e 10 de Julho de 2019, que resultou na assinatura de memorandos de entendimento com a Assolombarda, ANIMP, CCMI, bem como com a Assomineraria e Confindustria, além da histórica relação com o sistema de associações italiano e celebração de acordos de parceria entre empresas italianas e moçambicanas.


Para a CTA, a Itália é um parceiro forte e reconhecido não só nas relações internacionais, com o primeiro acordo internacional de representação firmado há doze anos, mas também pela sua actual e recentemente nomeada "equipa" interna: São Abdula, vice-presidente da CTA, também vice-presidente da CCMI; Simone Santi, presidente do Pelouro de Recursos Naturais e Energia, igualmente presidente da CCMI; Dina Pascolini, vice-presidente do Pelouro para a Segurança, representa a Renco, um dos mais significativos membros da CCMI e do sistema empresarial italiano em Moçambique. (Moz24)

13 visualizações0 comentário

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI