INP garante que Total não abandonou o gás de Cabo Delgado


18 mars 2021. AFP - GRANT LEE NEUENBURG

O Governo de Moçambique, atráves do Instituto Nacional de Petróleo (INP) assegurouontem, que a petrolífera Total "não abandonou" o projecto de gás natural em Cabo Delgado, apenas suspendeu as actividades "por tempo indefinido".

As reações do executivo surgem após o comunicado da petrolífera francesa que anuncia a suspensão do projecto, evocando razões de “força maior”.

As autoridades moçambicanas asseguraram esta segunda-feira que a petrolífera Total "não abandonou" o projeto de gás natural em Cabo Delgado, apenas suspendeu as actividades "por tempo indefinido".

"Quero, mais uma vez aqui, reafirmar que não houve e não há abandono da Total, o que houve foi uma suspensão das actividades, devido à insegurança que se vive na área” garantiu em conferência de imprensa o presidente do Instituto Nacional de Petróleos de Moçambique (INP), Carlos Zacarias,

Em comunicado, o grupo francês Total anunciou a suspendeu do projecto de gás no nordte de Moçambique, interrompido após o ataque jihadista no início do mês de Abril, alegando razões de “força maior”.

Esta noção jurídica é evocada para justificar o incumprimento de determinadas obrigações com factores externos.

“Tendo em conta a situação de segurança no norte da província de Cabo Delgado, em Moçambique, a Total confirma a retirada de todo o pessoal ligado ao projecto Moçambique LNG no local de Afungi. Esta situação leva a Total, enquanto operadora do projecto Moçambique gás Natural Liquefeito- LNG, a declarar razões de força maior”, lê-se no comunicado.

Em declarações à AFP, um porta-voz do grupo Total explicou que a companhia não tem condições de executar o projecto, alegando a deterioração da situação de segurança.

Ainda é "muito cedo" para determinar o atraso que será imposto ao projecto, que até recentemente deveria estar operacional em 2024, "mas haverá consequências" no cronograma, confirmou o porta-voz da Total.

Esta suspensão de “força maior” permanecerá em vigor até que o Governo de Moçambique tenha restaurado a segurança e estabilidade à província "de forma verificável e duradoura".

Avaliado em 20 mil milhões de euros, o investimento do consórcio liderado pela petrolífera francesa- Total- no projecto de gás natural em Cabo Delgado é o maior investimento privado em curso no continente africano. (RFI)

48 visualizações0 comentário