Guerra em Cabo Delgado: Mocimboa da Praia sob fogo intenso desde a meia noite


Texto/fotos: Estacio Valoi

No momento em que estas linhas chegam às mãos do leitor, ainda ecoam esporadicamente tiros na vida sede de Mocimboa da Praia, em Cabo Delgado. O Moz24h está desde a meia noite a cruzar informações com várias fontes no distrito, onde deflagou a guerra em outubro de 2017 e, o seu rastro de destruição, luto e terror são indesmentivéis.

Este é o segundo ataque protagonizado pelos Bandidos Armados contra a vila da Mocimboa da Praia no norte de Cabo Delgado que teve o seu prelúdio na madrugada desta segunda feira quando eram 4horas

“Tudo começou de pouco depois das 00h00”, disse nos uma fonte no distrito

Hoje a semelhança do primeiro ataque, segundo fontes no local os Bandidos tomaram de assalto a vila d a Mocímboa da Praia bloqueando quase todas as saídas, quer via terreste assim como a marítima. Uns conseguiram deixar a vila, outros abandonaram as suas residências a procura de refúgio em outros lugares dentro da vila, ‘ todos em pânico’ desde a madrugada quando os primeiros tiros se fizeram ouvir obrigando as pessoas a não saírem de casa.'

Ainda no alvorecer uma das fontes relatava que não se saia podia circular “ não saímos de casa. Os tiros vêm de todos os lados. Acho que os bandidos estão aqui ou deve ser entre os militares. Estava para sair a mesquita. Abri a porta de casa e voltei a fechar. Estou a rezar aqui em casa”.


Ainda segundo outras fontes trata-se de facto de mais um ataque dos bandidos e todos em pânico sem saber para onde fugir. “' Família la, que esta em pânico e sem saber para onde fugir, ficou fechada em casa. Uns estão na zona do porto, concretamente próximo do antigo cemitério, outros a saída para Palma.


Já por volta das 7h00 de hoje o Moz24horas em mais um contacto via telefónica com Mocímboa da Praia em conversa com outra das nossas várias fontes era possível ouvir o som das armas, balas a ecoarem ‘ Sim são disparos. Não temos saída, uns conseguiram apanhar barco e fugir. Eles fecharam o lado da praia, do mercado dos pescadores.


Forças de Defesa e Segurança (FDS), Forcas Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), Unidade de Intervenção Rápida (UIR) foram enviadas ao local, tropas Russas, e incluindo as tanzanianas na fronteira entre Moçambique e a Tanzânia. Facto é que a guerra já causou e vai causando danos irreparáveis. Segundo dados estatisticos cerca de 910 pessoas foram mortas, milhares de refugiados, milhares de casas destruídas, aldeias vazias, falta de alimentos.



“Aqui não se circula. Alshabab estão dizer as pessoas para deixarem suas casas e irem se concentrar na mesquita. Até já levaram algumas pessoas la para mesquita, foram lhes fechar la.” Disse outra fonte.

A primeira vez em que a vila da Mocímboa da Praia a semelhança desta vez acordou em alvoroço sua população em pânico devido a fogo cruzado dos ataques dos alegados "Alshabab" que se fizeram ao centro daquela vila e as forcas de defesa e segurança de Moçambique foi a 5 de outubro de 2017. De lá a esta parte, os ataques nunca mais pararam obrigando na altura ao conselho municipal daquela vila através do comunicado de 25 de Janeiro a decretar um recolher obrigatório na sequência dos ataques armados poucos dias do início do ano lectivo de 2019.


“Está interdita a circulação nocturna de veículos pesados, ligeiros motorizados, bicicletas e peões, assim como o exercício de qualquer actividade comercial, projecção de filmes, discotecas no raio municipal, no período compreendido entre às 21H00 e 04H00”. Dissera Fernando Neves, edil da Mocímboa da Praia.


Por varias vezes a policia , ministério da defesa de Mocambique garantia que a onda dos ataques no Norte de Cabo Delgado estava estancada, garantia assim o comanadante do Comandante Geral da polícia Bernardino Rafael que a situação de ataques protagonizados por grupos armados com supostas ligações a movimentos extremistas islâmicos estáva controlada no Norte de Cabo Delgado sobretudo em Mocímboa da Praia em Cabo Delgado palco dos primeiros ataques registados nos dias 04 e 05 de Outubro passado a unidades da polícia e saques a unidades sanitárias.

A garantia é

"Mocímboa daa Praia é um caso controlado. Estamos a trabalhar no sentido de criar cada vez mais um ambiente favorável. É aquilo que vocês têm vindo todos os dias a ver nas notícias. Nós dizíamos, daqui a um tempo, provavelmente, vamos deixar de ouvir falar do assunto de Mocimboa da Praia" dizia em 2018, 2019 a ate 2020.

Contudo, os ataques dos bandidos não param.


Segundo fontes militares os bandidos estão sim dentro de Mocímboa que ficou “desprotegida” com a retirara da maior parte dos militares para o distrito de Moeda. “Tiraram os generais que estavam la que recebiam senhas e os bandidos se aperceberam. La estão os novatos. Foram recebidos com este ataque.” Disse a fonte

Segundo informação das nossas fontes os bandidos tomaram Mocímboa “ Estão dentro da vila a destruir casas, Destruíram uma escola e outras infra-estruturas. Tomaram Mocimboa.”

411 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI