Economia azul consome 4,6 biliões de dólares do Banco Mundial


Por Anselmo Sengo


O representante do Banco Mundial em Moçambique Mark Lundell

afirma que ao embarcar pelo desenvolvimento da economia azul, os

países precisam ver caminhos claros para faze-lo de forma a promover

em paralelo a adaptação e mitigação as mudanças climáticas. É por isso

que, de acordo com Mark Lundell, o Banco Mundial tem vindo a

investir mais recursos no quadro da economia azul, apontando a título

ilustrativo, “que a nossa carteira global de activa situa-se em torno de

4,6 biliões de dólares, incluindo outros adicionais cerca de 1,8 biliões de

dólares que estão ainda a ser preparados.

Falando num primeiro painel sobre a “governação sustentável dos

oceanos”, inserido na conferência crescendo azul realizada sobre o lema

“exploração sustentável e compartilha do oceano” realizada nos dias 23

e 24 de Maio corrente na capital moçambicana, disse que as

intervenções do Banco Mundial vão desde o apoio à implementação de

programas regionais de pesca em África e no Pacifico até ao combate de

todas as fontes de poluição marinha, protecção de habitats marinhos

críticos e apoio ao desenvolvimento costeiro em todo o mundo.

Mark Lundell informou durante a reunião que os oceanos suportam

economias e meios de vida de muitas maneiras em todo o mundo.

Globalmente, apontou, estima-se que uma em cada dez famílias tem na

pesca a base para o seu meio de vida, sendo que, quando incluídos os

sectores de processamento e comercialização dos produtos pesqueiros,

as mulheres constituem metade da força de trabalho.


A produção pesqueira marinha mundial é superior a 80 milhões de

toneladas, contribuindo com mais de 270 biliões para o PIB global

anual.

O representante do Banco Mundial em Moçambique fez saber também

que o comércio global não seria o mesmo sem os oceanos, pelo que,

perto de 80% de todos bens usados no mundo transitam através dos

oceanos e por via disso, o seu valor económico tende a aumentar,

esperando-se que até 2030 vai duplicar, alcançando 3 triliões de dólares

por ano.

Entretanto, Mark Lundell referiu que os países devem prestar arrancão

acima da dimensão económica dos oceanos a dimensão ambiental.

A saúde dos oceanos está a degradar-se com muita rapidez, estimando-se

que cerca de 30% dos stocks de peixe sejam hoje sobrepescados e cerca

de 83 biliões de dólares são perdidos devido a má governação das

pescarias no mundo.

Por outro lado, perto de 80% das fontes de poluição marinha tem origem

na terra, calculando-se que existam 150 milhões de toneladas de

plásticos nos oceanos. Até 2025, espera-se que serão produzidos mais de

250 milhões de toneladas de plásticos.

“As mudanças climáticas têm um impacto enorme nos oceanos,

causando a acidificação, variações de temperatura, aumento do nível de

oceanos, cujas consequências são catastróficas”, disse o painelista.

Por isso, chamou a colaboração dos governos, sector privado e outros

actores no sentido de proteger o valor económico que o oceano gera com

soluções novas e inovadoras e ambientalmente sustentáveis como forma

de alcançar um crescimento azul que se apresente climaticamente

inteligente e integrado.


Neste contexto, Mark Lundell afirmou que o Banco Mundial dispõe de

ferramentas, experiencia e financiamento para apoiar a transição em

direcção a uma maior resiliência climática e um crescimento azul

sustentável. Dai que apelou aos governos para proteger as regiões

costeiras, utilizando infraestruturas verdes. Paralelamente, os portos

precisam também de ser adaptados para ser resilientes e não provoquem

erosão e devem ser utilizadas fontes alternativas de energia que

aproveitem a energia e a temperatura do mar.

0 visualização

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI