Dyck Advisory Group promete investigação independente após ser acusada de matar civis em Moçambique


Empresa não apresenta detalhes sobre a sua actividade em Moçambique

A Dyck Advisory Group (DAG), empresa militar privada sul-africana, promete contratar advogados externos para investigar as suas actividades em Cabo Delgado, onde é acusada de matar civis na luta contra os insurgentes, reporta a Reuters. A Amnistia Internacional (AI), num novo relatório publicado, nesta terça-feira, 2, diz que centenas de civis foram mortos em Delgado pelo grupo insurgente ‘Al-Shabaab’ (não ligado ao da Somália), forças de segurança e Dyck Advisory Group (DAG), contratada pelo governo.

“A empresa (DAG) violou claramente o direito internacional humanitário ao disparar indiscriminadamente contra multidões, atacar infraestruturas civis e não distinguir alvos militares e civis,” disse Deprose Muchena, director da AI para África Austral.

“É preciso agora responsabilizá-los pelos seus actos,” exigiu Muchena.

"Levamos essas alegações muito a sério e vamos colocar uma equipa jurídica independente lá em breve para fazer um inquérito e ver o que estamos a faze," disse à Reuters o fundador da DAG, Lionel Dyck

Dyck declinou dar detalhes sobre a missão da sua empresa em Moçambique.

O recurso à DAG e outras empresas militares privadas na luta contra os insurgentes em Moçambique tem sido criticado por analistas. (VoA)

128 visualizações0 comentário

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI