Doadores mostram solidariedade com refugiados eapoio constante aos programas do ACNUR para 2021


Durante a conferencia anual de doadores que ocorreu antes de ontem em Genebra, os governos doadores assumiram um compromisso recorde de US $ 932 milhões ao ACNUR, a Agência para os Refugiados da ONU, para as atividades do próximo ano. Essas generosas promessas iniciais permitirão que o ACNUR continue a fornecer ajuda para salvar vidas e proteger os direitos de quase 80 milhões de refugiados, deslocados e apátridas a partir do início de 2021. Ao todo, os doadores comprometeram-se com mais de US $ 1,1 bilhão para os programas do ACNUR em 2021 e além, mostrando forte solidariedade com os refugiados e confiança no trabalho do ACNUR.

Em seu discurso durante a conferência, o Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo

Grandi, que acabou de retornar do Afeganistão e do Sudão, disse: “Refugiados que escapam de conflitos, perseguições e violações dos direitos humanos precisam do nosso apoio mais do que nunca. Estamos encorajados pelos compromissos que nossos doadores assumiram hoje, que representam um “salva vidas” para milhões de pessoas que precisam de ajuda, esperança e lar.”

Para cumprir suas responsabilidades e atender às necessidades humanitárias críticas em 2021, o ACNUR precisa de US $ 9,070 bilhões. Isso inclui US $ 8,616 bilhões para seu Apelo Global de 2021, e outros US $ 455 milhões em necessidades adicionais para suas atividades

relacionadas ao COVID-19.

As principais necessidades apresentadas no Apelo Global de 2021 do ACNUR cobrem

operações em 135 países, sendo muitas destas velhas e novas crises e conflitos que forçam as pessoas a se deslocarem. Exemplos recentes incluem a resposta de emergência do ACNUR para refugiados etíopes se deslocando para o leste do Sudão. No Sahel, milhões de refugiados e deslocados internos vivem em condições terríveis naquela que é uma das crises regionais mais complexas do mundo. Centenas de milhares fogem da violência brutal no norte de Moçambique.

A guerra contínua no Iêmen está provocando um peso catastrófico aos civis, muitos deles

deslocados. Na Europa, um conflito de décadas atras reacendido entre a Armênia e o Azerbaijão causou mais deslocamento de civis. Na América Latina, dezenas de milhares de nicaraguenses fugiram de uma grave crise que resultou em violência e abusos dos direitos humanos.

Em resposta a essas e outras crises, as principais atividades do ACNUR em 2021 se concentram na proteção de refugiados e crianças, preparação para emergências e itens de alivio imediato para distribuições urgentes, assistência em dinheiro para os mais vulneráveis, saúde e segurança alimentar, água e saneamento e apoio nutricional, abrigo, educação, meios de subsistência, energia limpa e proteção ambiental, bem como apoio aos apátridas.

A já desafiadora crise global humanitária e de refugiados foi agravada dramaticamente em 2020 pela pandemia COVID-19. Até agora, a inclusão de refugiados nas respostas nacionais de saúde pública e o trabalho do ACNUR e de outras agências ajudaram a manter as taxas de transmissão entre os refugiados em torno do mesmo nível das comunidades anfitriãs.

“Esses homens, mulheres e crianças não podem ser deixados para trás e não podemos permitir que a pandemia nos distraia de atender às suas necessidades crescentes relacionados a busca de soluções para sua situação”, disse Filippo Grandi, o Alto Comissário da ONU para Refugiados.

“O ACNUR faz seu apelo mais urgente para aqueles que possuam meios continuem a apoiar a resposta humanitária em todo o mundo.”

O coronavírus está causando um impacto devastador sobre milhões de refugiados, mais de 85 por cento dos quais são hospedados por países em desenvolvimento que agora lidam com o severo impacto econômico da pandemia. Os refugiados enfrentam a perda de meios de subsistência, uma espiral de miséria e insuficiente apoio. Eles não podem alimentar suas famílias ou se aquecer no inverno. Alguns são despejados de seus abrigos. Outros são levados a vender seus corpos ou casar seus filhos, sendo vítimas de abusos e exploração. Os mais desesperados prosseguem para a automutilação ou pior, em alguns casos - suicidam-se. Incapazes de sobreviver, alguns refugiados também estão retornando prematuramente a situações de conflito e perigo.

Consequentemente, o ACNUR está reiterando a necessidade de inclusão total das pessoas

deslocadas forçadamente em todas as respostas nacionais à pandemia - desde respostas de

saúde ao acesso a vacinas e redes de segurança social.

As contribuições voluntárias representam quase a totalidade do financiamento do ACNUR. Além das promessas de hoje feitas pelos governos doadores, e em sinal da crescente diversificação do apoio à causa dos refugiados, representantes dos Parceiros Nacionais do Setor Privado do ACNUR anunciaram seu compromisso inicial e sem precedentes de US $ 275 milhões para 2021.

O ACNUR demonstra sua gratidão a todas as contribuições recebidas, especialmente aquelas que fornecem financiamento flexível e apoio plurianual, que são essenciais para a capacidade da organização de responder rapidamente a novas crises e atender às necessidades dos deslocados forçadamente e seus anfitriões.

Dentro de duas semanas, a Agência da ONU para os Refugiados marcará sete décadas de

trabalho humanitário, pelo qual recebeu o Prêmio Nobel da Paz por duas vezes - em 1954 e em 1981.

56 visualizações0 comentário