"Dividas ocultas": Declarante Agy Anlaué coloca em causa viabilidade na constituição da Ematum e Mam


O declarante Agy Anlaué, um operativo dos Serviços de Informação e Segurança do Estado (SISE) que serviu como director operacional da EMATUM, uma das empresas no epicentro do caso das chamadas "dividas ocultas" afirmou na que a empresa apresentava lacunas no seu funcionamento.

Agy declarou que por conta disso, o estudo de viabilidade da Ematum podia ter sido feito de melhor forma. Durante o interrogatório conduzido primeiro pelo juiz e depois pelo Ministério Público, o declarante Agy Anlaué afirmou também que a Mam não tinha pernas para andar. Justificou que o estudo de viabilidade para a constituição desta empresa, não foi igualmente bem elaborado pelos proponentes. No quadragésimo-primeiro dia do Julgamento do caso Dívidas não declaradas, o declarante Agy Anlaué afirmou que a ProÍndicus, era o único projecto viável para a protecção da Zona Económica Exclusiva de Moçambique. Disse ainda que a ProÍndicus já tinha a componente integrada e, não era necessária a criação das Empresas Mam e Ematum. Este é um dilema que surge no julgamento, por conta das versões apresentadas pelos co-réus Cipriano Mutota e Teófilo Nhangumele, que se intitulam “criadores” da ProÍndicus sem a componente da Ematum e da Mam e do réu António Carlos do Rosário que na sua óptica, a Proíndicus fazia parte do Projecto integrado, juntamente com a Ematum e Mam. Noutros desenvolvimentos, o declarante Agi Anlaué admitiu que recebia simultaneamente salários, na qualidade de membro do Serviço de Informações e Segurança de Estado (SISE) e como director das Plataformas Tecnológicas e das Operações da EMATUM. No seu entender os barcos da Ematum não estavam capacitados para emitir alertas em caso de ameaças no alto mar. Com a ProÍndicus a funcionar em pleno, teria desempenhado um papel de combate a todas essas ameaças. Na audição, Agy Anlaué disse que não tinha contradições com o réu António Carlos do Rosário, referindo que o considera seu amigo. (RM)

24 visualizações0 comentário