• estaciosvaloi

DDR Oculto Tal como as “dividas ocultas”/Os ocultos 60 milhões de Euros



Por: André Thomashausen


Dos 60 milhões de euros atribuídos pela União Europeia ao Processo de Paz em Moçambique, até agora nada foi gasto para garantir e facilitar a desmobilização e a reintegração de mais de 5.000 ex-combatentes da Renamo.

O sigilo e a ausência de qualquer forma de transparência está a denigrir os princípios de boa governação que a UE tenta retratar em África.


Na sua entrevista à DW em 2 de Dezembro de 2019, o embaixador da UE Gaspar explicou: 10 milhões de euros são a primeira fase, que já está a ser articulada neste ano. [Mais] 25 milhões estão previstos para o ano que vem (2020) e outros 25 milhões serão aplicados nos finais de 2020. ... Os 10 milhões de euros serão investidos em projectos sociais e de reconciliação nas áreas afectadas pelos ataques rebeldes.”


Está bem documentado que o gasto total médio para cada um dos quase 1000 até agora desmobilizados é de aproximadamente 1000 euros no total, sem perspectivas de subvenções futuras ou apoio à aposentadoria. O que significa que 1 milhão de euros foram gastos. Se todos os combatentes fossem desmobilizados nos próximos 5 anos (1000 por ano), um total de 5 milhões de euros seriam gastos na desmobilização real, incluindo os kits de doação humilhantes, compostos por 8 chapas de zinco, barrotes, um martelo, uma pá e uma picareta, 2 calças e 2 cuecas e duas camisetes, além de alguns outros cozinhas inúteis, mas sem pregos ou pedaço de corda para amarrar o tudo.


Ignorando as regras e procedimentos mais básicos para a reintegração social de pessoas marginalizadas, ninguém se preocupou em consultar as cidades ou postos administrativos para facilitar onde os desmobilizados poderiam ser bem-vindos para se estabelecer, e como conseguir isso.


Aparentemente, espera-se que os desmobilizados façam pequenas barracas no meio do nada onde se devem sentar ao sol sob as chapas de zinco enferrujadas, sem perturbar ninguém. O fato de terem lutado e trazido democracia para Moçambique, não lhes rendeu o estatuto concedido aos antigos combatentes da guerra de libertação anticolonial.’

Os desmobilizados que ainda não voltaram para se juntar de novo ao Mundo da Guerra, da Junta Militar da Renamo, estão se perguntando o que devem fazer com a pá que lhes foi dada. O ditado comum agora é que os pacificadores da ONU lhes deram pás para que pudessem cavar suas próprias covas antes de desistirem da vida para esperar até a morte chegar.

Estamos a chegar ao fim do ano 2020 e vamos lembrar o que o Embaixador da EU Gaspar disse em Dezembro de 2019: "... o fundo de 60 milhões de euros terá que ser canalizado para diferentes programas a serem executados por diferentes entidades e vários parceiros, totalizando 25 milhões em 2020 e outros 25 milhões a serem aplicados até o final de 2020 … estamos falando de apoio directo através de ONGs que estão trabalhando com pessoas e outros parceiros para apoiar as pessoas e comunidades afectadas pelo conflito".

Quais programas? Quais parceiros?

Quais ONG’s? Já compraram novas Landcruisers ?

Quais comunidades receberam financiamento da EU?

Onde estão as contas?

103 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI