Dércio Alfazema distancia-se do G15


O analista politíco Dércio Alfazema, que serve como Coordenador de Programas do Instituto para Democracria Multipartidária (IMD) é a primeira figura pública a se distanciar da lista do G15 que começou a circular no final da passada segunda feira nas redes sociais.

No documento intitulado: “Julgamento das Dividas ocultas: da politização a gestão da crise” e com o indicativo de alegadamente ter sido produzido pelo gabinete de comunição e imagem do partido Frelimo, o mesmo indica 15 nomes de inveterados defensores da organização mesmo quando esta navega em águas turvas.

As cópias desse documento que viralizou explica que a tarefa dos 15 e já agora 14, é de no horizonte temporal de Agosto a Dezembro entre outros “Organizar, estruturar e traduzir toda a documentação existente oficial do processo de Londres e outra forma organizada para que se possa usar mensagens positivas a favor do partido Frelimo; Criar narrativas com a imprensa internacional, fazer um trabalho de influenciar as peças diárias, recomendar comentadores; criar um task force de intervenção rápida na rede social Facebook (defender nomes e protidão)”. Constam dessa lista os nomess dos cidadãos Caifadine Manasse (deputado porta voz do partido Frelimo), o jurista e criminalista Elidio de Sousa, o comentador Julião Arnaldo, Alexandre Jorge Mano, Agy Abdul Amade, Edson Munguambe, o historiador Egidio Vaz, Pedro Guiliche, Dércio Alfazema, o jurista Manuel Guilherme Junior, o jornalista e jurista José Belmiro, o jornalista Gustavo Mavie, o fisico Julião João Cumbane, o jornalista Moisés Mabunda, Roberto Lamba (tete) e Zefanias Namburete (Sofala). O jornalista Gustavo Mavie é o único que transita da empreitada do extingo G40 que serviu os propósitos de evocação a governação do final do mandato de Armando Emilio Guebuza. O historiador Egidio Vaz foi um acérrimo critico do G40.


A posição de Alfazema

"Caros Amigos


No final do dia 23 de agosto (segunda-feira) tomei conhecimento da circulação nas redes sociais de um Plano de Acção, intitulado “JULGAMENTO DAS DÍVIDAS OCULTAS da Politização a Gestão de Crise”. Lamentavelmente o meu nome foi associado ao referido plano por pessoas que desconheço e sem que me tenham consultado. Neste sentido, me distanciou totalmente do referido plano.

Esta situação está a criar um enorme desconforto a mim, minha familia e às pessoas próximas que acompanhavam, encorajavam e contribuíam para a minha participação em diferentes paineis de de debate onde era convidado permanente e não só.

Estou em comunicação com a TVM e STV onde semanalmente e a convite dos mesmos participava em painéis fixos, comuniquei da minha indisponibilidade em continuar evitando riscos das minhas interpretações serem associadas ao referido documento e tenho recebido dos mesmos conforto e carinho. Agradeço bastante por isso.

Espero que não estranhem a minha ausência. Estou chocado, mas graças a Deus sigo firme olhando para os montes, pois é de lá que vem o meu socorro, força e certeza que tudo vai ficar bem.

Um abraço


Dércio Alfazema"


Os G1´4, como poderão passar a ser conhecidos na esfera pública – tal como foi com o famigerado G40 - são tidos como defensores ferrenhos da Frelimo e a sua missão é reagir à acutilância da sociedade civil. Existe o entendimento de que o seu objetivo é descredibilizar a sociedade civil. De rerefir que ontem tentamos contactar, sem sucesso, Caifadine Manasse, deputado e porta voz da organização que lidera o Estado (Moz24h)

285 visualizações0 comentário