Corrupção na magistratura causa indignação em Moçambique


Foto de arquivo


Analistas consideram grave e indignante a corrupção na magistratura moçambicana, porque isso deixa a nú a vulnerabilidade dos cidadãos. Eles defendem uma reorganização profunda do Estado.


O porta-voz do Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC), Romualdo Johnane, disse que aquela instituição tutelada pela Procuradoria-Geral da República, registou mais de mil e trezentos casos nos primeiros seis meses deste ano.

Ele referiu que dos processos acusados, três eram magistrados das provincias de Maputo e Gaza.


"Isso é grave e indignante, porque as pessoas que deviam ser guardiões da ética, dos valores sociais e morais, são essas que estão a ser citadas nestes processos", lamentou o analista Moisés Mabunda.


Entre os acusados pelo GCCC, figuram agentes da polícia, o que para Mabunda "é embaraçoso e deixa a nú a vulnerabiidade dos moçambicanos, porque, por um lado, a criminalidade está em alta, e por outro, aquelas pessoas que deviam ser as defensoras da tranquilidade dos moçambicanos, são as que estão na vanguarda dos cidadãos".


Para o jornalista Luís Nhachote, quando o GCCC admite corrupção na magistratura, significa que "estamos com um problema da pirâmide invertida e que é preciso reorganizar o Estado, é preciso partilo e reedificar os edifícios".


Por seu turno, o escritor Laurindos Macuácua diz que em Moçambique não existe uma classe que se possa considerar espelho da ética e moral, dando como exemplo as figuras que estão a ser julgadas no âmbito das dívidas ocultas.(VOA)

71 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo