Contornos do processo nublado da candidatura de “Mavila Boy” selados em burla


Por Luis Nhachote

Quando já estava confirmado como décimo membro canditado nas listas a deputado para a Assembleia da República (AR), pelo circulo eleitoral da cidade Maputo, o “empresário” Cremildo Mavila, acabou por vergar a “onda vermelha” que via na sua meteórica ascenção um passarporte para a consagração da impunidade..

Mavila Boy, como é tratado nos circulos sociais onde é respeitado como uma parda figura endinheirada, havia apresentado ao comité de verificação do partido, um cartão de membro com um número de um membro já existente com o carimbo assinatura de Armando Guebuza, então secretário geral, em 2003. Uma alegada compra de consciencias, permitiu que o jovem conseguisse o feito de eleito nas internas e fosse colocado nas listas num circulo que tradicionalmente a Frelimo consegue eleger numeros signficantes: a cidade de Maputo.

Foi preciso que forças internas indignadas colocassem freios as aspirações deste jovem a beira de conseguir o estatudo de deputado, suas imunidades e as referentes regalias derivadas dessa posição.



Quem é Mavila Boy

Nascido a 19 de Agosto de 1981, Cremildo Armando Mavila de seu nome de registo é conhecido por Mavila Boy. Tornou-se conhecido por financiar a pré-temporada futebolistica na capital e oferecer prémios chorudos aos vencedores da competição denominada “Top Mavila 8” que congrega clubes relevantes da arena desportiva nacional.

Na sua entrada partidária, Mavila Boy se apresentou com o cartão de membro com o número 639233, emitido em Maputo, aos 23 de setembro de 2003. A cópia deste cartão na posse do Moz24h, leva o carimbo da assinatura de Armando Emilio Guebuza, ao tempo em que este era secretário geral.

Acontece que o número de membro 639233 conforme atestam os livros de registo observados pelo Moz24h pertence ao membro Joaquim Alfredo M Matavele, residente no bairro de Maxaquene que se registou de facto aos 24 de Setembro de 2003.

“Quem ajudou a falsicar o cartão de Mavila, de certeza recebeu rios de dinheiro dele” disse um membro da Frelimo na condição de anonimato.

É senso comum nas hostes da Frelimo que a organização é vulnerável e lugar apetecivel daqueles que buscam os beneficios, meio caminho andado para o trafego influências.

O Moz24h aguarda as declarações do partido e do visado sobre a materia.

633 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI