Combates em Palma: Ofensiva jihadista pode querer forçar negociações com multinacionais


Antigo negociador da Renamo, Raúl Domingos, admite que possa haver tentativas de negociações

Os combates recentes entre insurgentes e as Forças de Defesa e Segurança (FDS) de Moçambique em torno da vila de Palma, na província de Cabo Delgado, continua a suscitar diversas leituras, principalmente devido à falta de informações, fruto do silêncio do Governo que, também, impediu o acesso à imprensa independente à região. O antigo negociador da Renamo Raúl Domingos diz que o ataque à vila de Palma pode representar uma estratégia jihadista para forçar negociações com os magnatas que estão a investir no projecto de exploração de gás natural, enquanto a Renamo lamenta o que considera silêncio do Presidente da República relativamente à guerra em Cabo Delgado.

Raúl Domingos, conhecedor de assuntos de negociação, foi ele quem negociou o acordo de paz entre o Governo e a Renamo, não tem dúvidas que este grupo quer ameaçar o projecto de gás e disso tirar dividendos.

Ele refere que os insurgentes, tendo o porto de Mocímboa da Praia sob seu controlo, tentam avançar agora para Palma, "como forma de forçar uma negociata com os magnatas que estão a investir no projecto de gás natural liquefeito, em Afungi".

Raúl Domingos lamenta que as FDS no terreno tenham sido apanhadas de surpresa "e isso é um sinal negativo, porque elas deviam preocupar-se com vilas como Palma, Mocímboa da Praia e outras, que são estratégicas do ponto de vista económico".

No seu entender, os serviços de inteligência, "incluindo os Serviços de Informação e Segurança do Estado (SISE), não estão a funcionar, e esta é uma fragilidade que deve ser superada"

Por seu turno, o deputado da Assembleia da República e chefe do Gabinete de Informação da Renamo, José Manteigas, diz não saber como é que se poderá garantir a segurança das comunidades e o funcionamento da companhia Total, tendo em conta as fragilidades das FDS.

"O que estamos a notar é que as Forças de Defesa e Segurança, em vez de estarem na ofensiva, estão na defensiva e duma forma muito frágil", lamentou aquele deputado.

Por outro lado, José Manteigas, falando em nome da Renamo, diz lamentar o silêncio do Chefe de Estado quanto à situação em Cabo Delgado. "Estamos em guerra", realçou José Manteigas, acrescentando que, "infelizmente, o Presidente da República, não aciona os mecanismos para decretar esta guerra". (VoA)

160 visualizações0 comentário