Combate às uniões prematuras



Suposto Profeta detido por união prematura com uma menor de 12 anos de idade em Quelimane não pertence a Igreja Testemunhas de Jeová Na semana passada, a Polícia da República de Moçambique (PRM) em Quelimane, província da Zambézia deteve um suposto Profeta de 39 anos de idade e que respondia pelo nome de João Mazeluza Jeová, localmente conhecido por Joãozinho. A causa da detenção é que o mesmo havia se unido maritalmente com uma menor de 12 anos de idade alegadamente porque havia tido uma revelação espiritual para tal, facto este que levou os pais da menor a entregarem a sua filha ao referido Profeta. Entretanto, dada ao apelido do suposto Profeta (Jeová), o mesmo acabou sendo associado por diferentes órgãos de comunicação social nacionais e internacionais, inclusive o "Moz24H", tendo levado as Testemunhas de Jeová de Moçambique a reagirem através de um Comunicado de Imprensa que em seguida transcrevemos integralmente: "O cidadão, alegado profeta das Testemunhas Jeová, que está sob custódia policial na cidade de Quelimane a responder pelo crime de união prematura não é Testemunhas de Jeová e de acordo com os nossos registos não associa-se com nenhuma das nossas congregações. Nós somos guiados pelos padrões da Bíblia, por isso, repudiamos as uniões prematuras. Respeitamos e acatamos o preconizado na Lei que declara que as uniões prematuras são crime. Esta notícia deve ser corrigida." Prosseguindo, o comunicado refere que: "A protecção de menores é um assunto de máxima preocupação e importância para todas Testemunhas de Jeová. Por isso as Testemunhas de Jeová. Por isso as Testemunhas de Jeová têm publicado material baseado na Bíblia Sagrada que visa ajudar os pais a cumprirem a sua responsabilidade de proteger e instruir os seus filhos (…)." (Moz24)

132 visualizações0 comentário