Caso das dívidas não declaradas. Tribunal conclui sessão especial do contraditório diferido


O Tribunal Judicial da Cidade de Maputo concluiu, esta terça-feira, a sessão especial do contraditório diferido no julgamento do caso das dívidas não declaradas.

Trata-se de uma sessão que discutiu o arresto dos bens de 11 dos 19 réus implicados no caso das dívidas não declaradas, num processo movido pelo Ministério Público. Inicialmente a conclusão da sessão especial do contraditório diferido, estava marcada para o dia 14 de Abril passado, facto que não aconteceu por conta do dilema em torno da titularidade de dois imóveis, que o Ministério Público acredita pertencerem ao reu Gregório Leão. O réu Gregório Leão, por sua vez, refere que os dois imóveis localizados na cidade de Maputo, são propriedade da Sociedade Anlaba Investment AS, um veículo operativo do SISE. Os referidos imóveis foram vendidos após a detenção do antigo Director Geral do Serviço de Informações e Segurança do estado, facto que segundo o Ministério Público vislumbra uma tentativa de ocultação da titularidade pelo réu Gregório leão. Por conta da contradição em torno da titularidade dos dois apartamentos, o juiz Efigénio Baptista alistou depois de ouvir seis declarantes em torno deste assunto, dois primos da ré Ângela Leão, esposa do antigo Director Geral do SISE. Trata-se de Olga Buque e Nelson Buque, citados como tendo participado do negócio de venda dos dois imóveis. Entretanto o Juiz Efigénio Baptista, anunciou que o Tribunal não conseguiu localizar os dois declarantes. Mesmo assim o Juiz Efigenio Baptista julgou ter provas suficientes para tomar uma decisão, em torno da manutenção ou não da providência cautelar movida a pedido do Ministério Público. (RM)

43 visualizações0 comentário