Banco Mundial doa 104 Milhões de dólares para o IDA em Moçambique


O Banco Mundial aprovou esta terça-feira uma doação financeira no valor de 104 milhões de dólares da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA), para apoiar programas de desenvolvimento de competências para jovens moçambicanos. O projecto investirá nos subsistemas de Educação e Treinamento Técnico Vocacional (TVET), e de Ensino Superior (ES), com vista a melhorar o acesso e a qualidade dos currículos educacionais e a formação para o desenvolvimento de competências em resposta às prioridades e sectores económicos do país.

“Capacitar os jovens através do desenvolvimento de competências de alto nível por meio de uma educação pós-secundária de qualidade, enquanto se trabalha em políticas para incentivar a criação de empregos vinculados a sistemas produtivos modernos, estão entre os desafios mais importantes que o país enfrenta se quiser colher os benefícios do seu dividendo demográfico”,  observou Idah Z. Pswarayi-Riddihough, Directora do Banco Mundial para Moçambique, Madagáscar, Comores, Maurícias e Seychelles.  “Jovens com melhor educação contribuirão para reduzir a desigualdade de renda, facilitar a mobilidade social e ajudar a iniciar a tão necessária transição demográfica.”

O projecto ajudará a aumentar o acesso à educação e formação de qualidade nos níveis de TVET e ES em áreas prioritárias relevantes para o desenvolvimento económico futuro, com enfoque para a ciência, tecnologia, engenharia, matemática e mudanças climáticas. Também apoiará programas de formação de professores, incluindo o uso de novos métodos de ensino, e abordará a actual escassez de competências técnicas especializadas, mediante o fortalecimento de programas de desenvolvimento de competências de alta qualidade em manutenção industrial, agricultura, TIC’s, construção, entre outros sectores prioritários em instituições de TVET seleccionadas. Além disso, o projecto apoiará a colaboração contínua com indústrias e ajudará a operacionalizar o Fundo Nacional de Capacitação para Educação Profissional, que procurará alavancar o financiamento do sector privado para o desenvolvimento de competências em resposta às necessidades do mercado, ajudando assim a maximizar o financiamento para o desenvolvimento.  Em conformidade com a estratégia institucional do Grupo Banco Mundial sobre Fragilidade, Conflito e Violência, o projecto também visa combater os principais factores de fragilidade e ajudar a fortalecer o contrato social entre as pessoas e o estado, abordando a provisão desigual de serviços e as disparidades regionais.

“A educação e o empoderamento das raparigas são essenciais para alcançar uma maior mobilidade social e transição demográfica”, acrescentou Ana Menezes, Especialista Sénior em Educação do Banco Mundial e Co-Líder de Equipe do projecto.  “O projecto irá priorizar o acesso das mulheres a programas de bolsas e estágios e apoiará regulamentações e actividades destinadas a expandir a participação da rapariga a em eventos científicos e outros programas que possam contribuir para o ingresso feminino em TVET e ES.” Além disso, o projecto incluirá disposições para prevenir a Violência Baseada no Género (VBG) no sistema educacional, bem como, fortalecer as capacidades das instituições de formação para responder a incidentes de VBG.

“Dado que o país enfrenta eventos climáticos extremos recorrentes, com probabilidade de aumentar nos próximos anos, todos os programas de treinamento de TVET e ES financiados pelo projecto deverão incluir conteúdos relacionado com às mudanças climáticas”,  acrescentou Marina Bassi, Economista Sénior e Co-Líder de Equipa.  Além disso, o projecto apoiará o desenvolvimento da literacia digital e habilidades relacionadas assim como de empreendedorismo digital.  “Esperamos que essas acções permitam ao país fortalecer ainda mais sua infraestrutura digital, serviços financeiros digitais e consolidar a sua capacidade de se ajustar às mudanças nas economias tecnológicas.”

Esta operação está alinhada com as prioridades do país delineadas no seu Plano Quinquenal, bem como, com o Quadro de Parceria do Banco Mundial para o período fiscal de 2017-21, que reconhece que uma economia mais diversificada, produtiva e inclusiva exigirá maior investimento em capital humano.

49 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI