Ataques em Cabo Delgado: Chefes de Estado da SADC manifestam apoio no combate aos grupos armados


Os chefes de Estado e de Governo dos países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) manifestaram ontem o seu apoio ao Governo no combate aos grupos armados que protagonizam ataques no norte do país.

O compromisso faz parte da declaração final da 40.ª Cimeira Ordinária de Chefes de Estado e de Governo da SADC, que se realizou por via virtual, a partir de Maputo.

"A cimeira manifestou a solidariedade e o compromisso da SADC em apoiar Moçambique na luta contra o terrorismo e ataques violentos", refere a nota.

Os chefes de Estado e de Governo da SADC acolheram com seriedade a decisão do Governo moçambicano de alertar os membros da organização sobre a violência no norte do país, assinala o documento.

Os participantes encarregaram o Secretariado Executivo da SADC para a elaboração de um plano de ação de combate ao terrorismo, ataques violentos, crime cibernético e os efeitos nefastos das mudanças climáticas.

Ainda no âmbito da defesa e segurança, os líderes da SADC reiteraram a posição de que deve ser mantida a configuração da brigada de intervenção na República Democrática do Congo (RDCongo), tal como foi submetida ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres.

"A cimeira manifestou o seu apreço aos países contribuintes com tropas para a brigada de intervenção pelo seu apoio contínuo visando alcançar a paz e a segurança no leste da RDCongo e reiterou o apoio da SADC à RDCongo", refere o texto.

No discurso de encerramento da reunião, o Presidente da República, Filipe Nyusi, apontou o combate ao terrorismo como uma necessidade comum dos países da SADC, assinalando o imperativo da cooperação regional na luta contra o extremismo.

Durante a cimeira, ficou realçada "a necessidade de reforçar a coesão e cooperação entre os Estados membros da comunidade na prevenção e combate ao crime transfronteiriço, com incidência para o terrorismo, nas suas mais variadas formas e manifestações", declarou Nyusi.

O acento tónico no tema do terrorismo na cimeira de Maputo acontece numa altura em que a província de Cabo Delgado é palco de ataques de grupos armados classificados desde o início do ano pelas autoridades moçambicanas e internacionais como ameaça terrorista.

De acordo com a ONU, a violência armada levou à fuga de 250.000 pessoas de distritos afetados pela insegurança, mais a norte da província.

Moçambique assumiu ontem a presidência rotativa da SADC, para os próximos 12 meses sucedendo à Tanzânia.

A cimeira realizou-se sob o lema "40 Anos Construindo a Paz e Segurança, Promovendo o Desenvolvimento e Resiliência Face aos Desafios Globais".

A SADC é uma organização integrada por 16 Estados membros e foi estabelecida em 1980, como Conferência de Coordenação do Desenvolvimento da África Austral (SADCC) e, mais tarde, em agosto de 1992, transformada em Comunidade de Desenvolvimento da África Austral.

África do Sul, Angola, Botsuana, Comores, República Democrática do Congo, Essuatíni, Lesoto, Madagáscar, Maláui, Ilhas Maurícias, Moçambique, Namíbia, Seicheles, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué são os Estados membros da SADC. (Lusa)

157 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI