Arcebispo de Nampula teme consequências humanitárias


O arcebispo de Nampula, Inacio Saure, alertou para os riscos de uma crise humanitária com novas vagas de deslocados. "Agora também temos deslocados da própria província de Nampula".

As incursões rebeldes em Nampula tiveram como principais alvos os distritos de Eráti e Memba, sobretudo desde agosto, ambos nas margens do rio Lúrio, fronteira natural entre Nampula e Cabo Delgado. A nova vaga de ataques destruiu infraestruturas e deixou um número até agora desconhecido de óbitos, incluindo uma freira italiana assassinada durante um ataque à missão católica em Chipende, no extremo norte da diocese de Nacala

Para o arcebispo de Nampula, políticas e estratégias para o acompanhamento da juventude são fundamentais para travar o recrutamento, evitando que grupos com intenções obscuras se aproveitem da vulnerabilidade destas camadas mais jovens.

“A juventude deve ser cuidada, educada e formada. Por outro lado, é preciso defender esta juventude das fragilidades que fazem com que ela seja facilmente recrutada”, frisou Inácio Saure.

O prelado da igreja catolica em Nampula lamentou ainda o óbito da irmã italiana Maria de Coppi, morta a tiro durante o ataque à missão católica em Chipende, em Nampula.

“Esta religiosa de nacionalidade italiana tinha 83 anos, dos quais 59 ao serviço deste povo de Moçambique”, lembrou o arcebispo de Nampula, classificando-a como um dos “mártires” na guerra contra a insurgência no Norte de Moçambique.(X)

28 visualizações0 comentário