Análise da PwC ao petróleo e gás em África (incluindo Moçambique)


O mercado global de energia está numa entusiasmante fase de transição e disrupção. Os avanços tecnológicos estão a desbloquear novas reservas significativas, processamento, transporte e utilizações a jusante que eram inviáveis, desconhecidos ou inacessíveis até aqui. A descarbonização impulsionada pela agenda de sustentabilidade ambiental está a mudar a conjuntura energética a um ritmo acelerado, o que é particularmente evidente na América do Norte, Ásia e Europa. Isto deverá colocar o gás à frente do carvão até 2030 como o segundo combustível mais usado no mundo.

O setor do petróleo e do gás em África tem um potencial de maior crescimento impulsionado pelo aumento na apetência dos investidores e por uma retoma nos preços. As novas descobertas de petróleo e gás na costa africana levaram a um aumento no investimento em infraestrutura, avanços tecnológicos, atualizações na regulamentação e a uma melhoria no governo, bem como ao desenvolvimento de novas competências. Estes são os principais destaques da análise da PwC ao setor africano do petróleo e do gás em 2019, hoje divulgado pela PwC Africa.

Andries Rossouw, Diretor da PwC Africa Energy Utilities & Resources, afirma:

“Um otimismo renovado entrou no setor africano do petróleo e do gás devido à recuperação dos preços e ao maior interesse dos investidores. O setor africano do petróleo e do gás atravessou anos difíceis e desafiantes na sequência da descida no preço do petróleo. Todavia, a indústria reestruturou-se e está mais competitiva em termos de eficiência e de desempenho operacional. As perspetivas do setor continuam a melhorar com as empresas de petróleo e gás a focarem-se num crescimento cauteloso em áreas menos vulneráveis à volatilidade externa, ao mesmo tempo que mantêm os custos e as margens operacionais.”

A análise da PwC ao setor africano do petróleo e do gás de 2019 revê os acontecimentos dos últimos 12 meses nesta indústria no âmbito dos principais mercados e dos mercados emergentes de África.

Globalmente, 2018 foi um ano de sucessos na exploração de petróleo e gás com as descobertas a quase duplicarem as realizadas em 2017. Sem prejuízo do grande legado africano em recursos naturais, incluindo significativas reservas de petróleo e gás, a África Ocidental foi a única descoberta africana a chegar à lista das 10 maiores novas descobertas em 2017 e 2018.

Uma das mais impressionantes descobertas em África da última década foi o gás natural de Moçambique, estimada em 180 tcf, que já desbloqueou os três primeiros projetos GNL em grande escala. Estes projetos, juntamente com outros em fase de expansão e exploração adicional, têm o potencial de colocar Moçambique como o terceiro maior produtor de GNL do mundo, a seguir ao Catar e à Austrália, até 2030.

Os recursos de hidrocarbonetos também oferecem oportunidades de crescimento para os países que podem capitalizar o potencial. A maximização dos benefícios destes legados oferece um rendimento direto aos governos, empregados, fornecedores e acionistas de grandes projetos.

Crescimento e desenvolvimento

Embora a produção petrolífera africana tenha aumentado ligeiramente em 2018, o continente não conseguiu acompanhar a produção global, o que resultou numa descida de 0,1% na quota. A quota africana de reservas petrolíferas globais caiu 1% face ao ano anterior, fixando-se em 125,3 mil milhões bbl, equivalendo a 7,2% das reservas mundiais comprovadas.

No final de 2018, África informou ter 509,6 tcf em reservas de gás comprovadas, uma subida de 4,5% face ao ano anterior, o que ascende a 7,3% das reservas globais comprovadas. Perto de 91% da produção de gás africana continua a vir da Argélia, Angola, Egito, Líbia e Nigéria, com uma subida geral de 4,8% no ano passado.

Um interesse nas reservas africanas de gás também levou a uma série de bem-sucedidos projetos de GNL, que resultaram numa capacidade de liquefação de 18% face à capacidade global total.

Descobertas de petróleo e gás

O ano de 2018 foi um ano de sucessos na exploração de petróleo e gás com as descobertas a quase duplicarem as realizadas em 2017. Tanto em 2017 como em 2018 as 10 maiores descobertas no continente tinham ocorrido na África Ocidental. Isto contrasta com os anos anteriores, nos quais foram encontrados recursos significativos em todo o continente africano.

De acordo com a queda do preço do petróleo entre 2014 e 2016, os gastos de capital aplicados na produção em África mostraram um declínio significativo, que continuou em 2018 com uma queda total nas despesas de capital aplicadas na ordem dos 43% no período 2014-2018. Isto pode mudar significativamente com as decisões finais de investimento tomadas para desenvolvimentos de GNL em Moçambique.  A partir de 2020, espera-se que as despesas de capital aumentem a uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 4%, para mais de 70 mil milhões de dólares em 2030.

O preço do petróleo

O preço do petróleo assistiu a um aumento significativo ao longo de boa parte de 2018, até atingir o máximo em quatro anos, em outubro de 2018. Todavia, o quarto trimestre assistiu a uma queda de 42% no preço do petróleo. Os recentes ataques na Arábia Saudita e o resultante aumento no preço do petróleo demonstraram a potencial volatilidade dos preços. Felizmente, o setor petrolífero permaneceu otimista e o investimento africano na exploração deverá recuperar robustamente a médio prazo, provavelmente em antecipação de uma subida no preço do petróleo.

Oferta e procura de gás e GNL

Globalmente, o gás natural continuará a crescer e deverá ultrapassar o carvão até 2030, tornando-se no segundo maior combustível a nível mundial. O gás natural representa menos de um quarto da procura global de energia, 9,6% da qual foi fornecida como GNL em 2018. O número e o tipo de participantes no mercado de GNL aumentaram dramaticamente, à medida que os preços mais baixos tornaram as importações mais acessíveis.

Espera-se que o crescente impulso regulatório para descarbonizar reduza a participação do carvão no mix global de energia e aumente a procura de gás natural.

A utilização da capacidade de produção de GNL em África é de 61% (globalmente é de 85%). As exportações de GNL em África foram iguais a 39,7 mtpa6 em 2018, provenientes principalmente da Nigéria, Argélia, Angola e Egito.

Setor de petróleo e gás da Nigéria

A Nigéria é um dos mais antigos países produtores de petróleo de África. O petróleo foi descoberto na Nigéria em 1956 e a produção começou em 1958. O aumento do preço do petróleo na década de 1970 representou uma boa sorte para o país, que passou de uma economia agrária para uma economia dependente de petróleo. Desde então, a indústria petrolífera da Nigéria evoluiu e esta evolução fornece lições úteis para outros países com petróleo e gás, incluindo: desenvolvimento de segmentos intermediários e a jusante, complexidade regulatória e incerteza e estruturas contratuais.

Foco em Moçambique

As descobertas de gás natural em Moçambique desde 2010 têm o potencial de transformar o país num dos maiores exportadores de GNL do mundo. No entanto, a queda de 2014-2015 nos preços da energia fez com que vários gigantes da energia atrasassem os projetos e isso deu origem a preocupações de que os desenvolvimentos de GNL em Moçambique pudessem ser retidos.

O GNL impulsionará o crescimento da economia de Moçambique. A maximização dos benefícios do GNL fornecerá receitas diretas ao Estado, funcionários, fornecedores e acionistas dos megaprojetos. De igual ou maior importância, é o significativo potencial de desenvolvimento através da infraestrutura, industrialização, melhoria socioeconómica e da capacidade de expansão associadas ao nível do país.

 No entanto, as expetativas sobre até que ponto é que a indústria do petróleo e do gás contribuirá para o desenvolvimento dos cidadãos de Moçambique podem ser irrealistas e não considerar as crescentes necessidades de receitas do país; a atual base baixa a partir da qual a economia se desenvolve; e que os projetos se sobreponham, criando pressão sobre os recursos atuais.

Olhando para o futuro

O setor africano do petróleo e do gás está a passar de um ciclo de estagnação na exploração, gastos de capital e produção entre 2014 e 2018, após a queda do preço do petróleo, para uma fase de crescimento mais dinâmica. Durante a crise, o setor foi reestruturado para melhorar a eficiência e o desempenho e está mais apto para esse novo futuro. As empresas de petróleo e gás estão agora em melhor posição para tirar proveito das mudanças nos padrões geopolíticos e comerciais, novas descobertas de recursos, um mix de energia global em transição e descarbonização, melhorias tecnológicas, amadurecimento de ambientes regulatórios e melhoria do governo em alguns países.

James Mackay, Diretor de Capital Projects & Infrastructure na PwC, comenta:

“É fundamental, no entanto, que o setor mantenha e desenvolva a gestão estratégica de carteira, gestão de riscos empresariais, entrega de projetos de capital, disciplina de abastecimento e alocação de capital, informações e relacionamentos de mercado e de clientes e adote novas tecnologias e inovações para melhorar o desempenho, se quiser manter as difíceis vitórias conseguidas na poupança de custos. O progresso no combate à corrupção e na melhoria do governo institucional também precisa ser tratado com urgência.”

Neste contexto, os NOC africanos e respetivos parceiros, contratantes e financiadores devem traçar um percurso através de águas cada vez mais incertas. “O futuro para a indústria africana do petróleo e do gás é emocionante e desafiador, e podemos esperar a crescente participação da África como consumidor e fornecedor global de energia”, conclui Mackay.


Distribuído pela APO Group em nome da PricewaterhouseCoopers LLP (PwC)

62 visualizações

Subscreva a nossa Newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI